Sinopse

Três narradoras dividem a cena, contando histórias de sua infância. Elas voltam-se ao passado, lembrando suas marcas num tempo permeado por abusos e medo.

O espetáculo é construído com intensa musicalidade e sensorialidade, deixando que os temas sejam tratados de modo poético em linguagem teatral.

Duração: 40 min

Marcas da Infância

A Cia. NarrAr iniciou uma aprofundada investigação sobre o abuso e exploração infantil e juvenil no ano de 2015, após ouvir depoimentos de amigas em relação ao tema. A Cia. percebeu que muitas pessoas sofrem caladas esse tipo de violência, ocultando acontecimentos tão importantes de sua infância, o que acaba acarretando traumas bem significativos em suas vidas. Nessa direção, foi-nos confessado o desejo de expandir tais informações e experiências a outras pessoas, a fim de que outras crianças e adolescentes não vivessem o mesmo problema traumático.

A partir de tal disparador, construímos uma pesquisa, essencialmente pautada em entrevistas com adultos que sofreram abusos na sua infância e/ou, ainda, entrevistas com pessoas que convivem com crianças vítimas desse tipo de violência. Esse material foi associado a estatísticas e consultas com profissionais, como: psicólogos, assistentes sociais, etc., reunindo relatos para a organização de uma dramaturgia contundente, que fosse capaz de fomentar discussões em relação aos temas em pauta, e de forma lúdica e poética.

Logo, acreditamos que a multiplicação dos conhecimentos e seu compartilhamento poderiam funcionar como um ato revolucionário, de transformação, visando à melhoria de nossa sociedade. Assim, o espetáculo foi concebido para ser apresentado em diversos lugares e para diferentes faixas etárias, com o intuito de motivar reflexões e colocar em debate a temática ainda tão pouco discutida entre as pessoas.

Ficha Técnica

Texto: Patrícia Torres e Vânia Lima

Direção artística e cenário: Rafael Bicudo

Elenco: Daniela Cavagis, Patrícia Torres e Vânia Lima

Direção Musical: Fabrício Zavanella

Figurino e Produção: Narrar – Histórias Teatralizadas


Duração: 40 minutos


Débora vivia num regime de opressão e medo: sofria castigos físicos e psicológicos, sempre acompanhados com socos e xingamentos. Era obrigada a ficar calada. Ela acreditou que a ação de sua mãe era algo natural. Conforme crescia, a menina desistia de se expressar por inúmeras vezes só de se lembrar das agressões maternas.

Como transformar o trauma em amor?

Paula tinha um irmão três anos mais novo que ela. Ele sofria abuso sexual do seu padrasto. Paula era espectadora de tudo isso. O padrasto, para manter as aparências de bom homem, dava muitos presentes para ela e para seu irmão. Aos olhos da sociedade, ele era conhecido pela maioria das pessoas como um homem amável e carinhoso aos enteados.

Em quem confiar para desmascarar um agressor que todos admiram?

Letícia era uma criança ainda, quando começou a ser abusada pelo tio. Ele fazia com que ela se envolvesse em brincadeiras que, no fundo, tinham teor erótico. Depois dos abusos que eram frequentes, ela se sentia culpada e com medo de revelar a verdade aos pais.

Quem acredita nas palavras de uma menina de 8 anos?

O ato milenar de contar histórias ganha destaque neste espetáculo que busca unir intenso trabalho com as palavras, o corpo e as sonoridades, numa linguagem fluída que tem o objetivo de fundir aspectos documentais de uma pesquisa de campo e seus desdobramentos no tempo e no espaço cênico.

A intenção central é construir um tipo de encenação que possibilite ao nosso espectador se aproximar dos personagens, de suas histórias, a ponto de se envolver e instigar a sua própria transformação diante do diálogo, bom como da reflexão promovida em grupo sobre os assuntos tratados.

Nesse sentido, acreditamos que o melhor dispositivo seja a cumplicidade com o outro, com o público, e por isso a opção de revelar todos os mecanismos da cena, construindo um universo sensorial a partir de elementos simples, mas fortes, em se tratando do impacto no seu aspecto poético. Histórias estas que são poemas cênicos, e que convidam à reflexão diante dos problemas, das experiências que atravessam os muros da escola, abrindo novos caminhos e novas possibilidades de conscientização de si e de conhecimento do outro e da sociedade em que vivemos.

Nosso objetivo é construir um espetáculo capaz de circular por lugares distintos, entendendo que todo espaço pode ser transformado em um espaço cênico, sem a necessidade de um grande aparato técnico. A ideia é atravessar o cotidiano dos espectadores com uma experiência teatral visualmente impactante.

A narratividade e simplicidade presente em todo o discurso da Cia. NarrAr reverbera na escolha de poucos objetos de cena que, explorados em sua potência, produzem múltiplas dramaturgias espaciais/sensoriais que convidam o imaginário do espectador a mergulhar no universo de cada história.

Para isso, o grupo se inspirou em duas intervenções urbanas (Guarda-Chuvas 2 e Cartografia do Esquecimento) O elenco “veste” esses guarda-chuvas construindo imagens tanto coletivas como individuais, e se apresentam como “casulos” que guardam memórias veladas e lembranças que precisam ser reveladas – apontando a verdade/denúncia como a melhor defesa contra o abuso e o medo.

O figurino é composto por uma capa vermelha remetendo ao primeiro conto de violência sexual que temos registro – “Chapeuzinho Vermelho”. Essa capa conduz a narrativa dando voz as personagens.

Por onde andamos

2018

Teatro da Galeria Olido - Secretaria Municipal de Educação.

Auditório do Gade 9 de Julho

Florianópolis/SC - Associação dos Magistrados Catarinenses

Universidade Metodista de São Paulo

Maceió/AL - XXIII Congresso Brasileiro de Magistrados

E.E. Florestan Fernandes

E.E. Jair Toledo Xavier

E.E. Moro Doce

E.E. Cohab Brig. Eduardo Gomes

E.E. Miguel Oliva Feitosa

Escola Paulista da Magistratura | Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo

E.E. Flamínio Fávero

Curso de capacitação básica para professores de Guarulhos/SP


2016

Sede Social da APAMAGIS

Secretaria Estadual da Educação

CEU Paraísopolis – parceria com o Programa Einstein na Comunidade.

E.E. Professor João Evangelista Costa

E.E. Marilena Piumbatto Chaparro

E.E. Jardim Carombé

E.E. Profª Anilza Pioli

E.E. José Barbosa de Almeida

E.E. Elísio Teixeira Leite III  

E.E. João Solimeo

E.E. Cynira Stocco Fausto

Casa da Fonte em Jundiaí

2017

E.E. Dom Joaquim Justino Carreira Jundiaí

EMEB Ivo de Bona Jundiaí

Secretária de esportes de Jundiaí

E.E. Ubaldo Costa Leite

Teatro da Galeria Olido – Sala Paissandu

E.E. Elizabeth Ap. Simões Mesquita

SESI AE Carvalho

E.E. República da Colômbia

Apamagis

Curitiba Encontro sobre a proteção da criança e adolescência

E.E. Carlos F. W. Lacerda

Instituto Sedes Sapientiae

Tribunal Superior Eleitoral – Encontro sobre a proteção da criança e adolescência

CEU Uirapuru

E.E. PROFESSOR FLAMÍNIO FÁVERO

CEU Butantã

E.E. Luiza Salette Junca de Almeida

EMEF Prof. Mailson Delane

Escola Arnaldo Isidoro de Lima - Foz do Iguaçu

Escola João Adão da Silva - Foz do Iguaçu

Escola Erico Veríssimo - Foz do Iguaçu

Escola Adele Zanotto - Foz do Iguaçu

Teatro da Galeria Olido - Secretaria Municipal de Educação.

Auditório do Gade 9 de Julho

Florianópolis/SC - Associação dos Magistrados Catarinenses

Universidade Metodista de São Paulo

Maceió/AL - XXIII Congresso Brasileiro de Magistrados

E.E. Florestan Fernandes

E.E. Jair Toledo Xavier

E.E. Moro Doce

E.E. Cohab Brig. Eduardo Gomes

E.E. Miguel Oliva Feitosa

Escola Paulista da Magistratura | Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo

E.E. Flamínio Fávero

Curso de capacitação básica para professores de Guarulhos/SP

E.E. Dom Joaquim Justino Carreira Jundiaí às 8h30

EMEB Ivo de Bona Jundiaí às 11h

Secretária de esportes de Jundiaí às 14h

E.E. Ubaldo Costa Leite

Teatro da Galeria Olido – Sala Paissandu

E.E. Elizabeth Ap. Simões Mesquita

SESI AE Carvalho

E.E. República da Colômbia

Apamagis

Curitiba Encontro sobre a proteção da criança e adolescência

E.E. Carlos F. W. Lacerda

Instituto Sedes Sapientiae

Tribunal Superior Eleitoral – Encontro sobre a proteção da criança e adolescência

CEU Uirapuru

E.E. PROFESSOR FLAMÍNIO FÁVERO

CEU Butantã

E.E. Luiza Salette Junca de Almeida às 13h30

EMEF Prof. Mailson Delane

Escola Arnaldo Isidoro de Lima - Foz do Iguaçu

Escola João Adão da Silva - Foz do Iguaçu

Escola Erico Veríssimo - Foz do Iguaçu

Escola Adele Zanotto - Foz do Iguaçu

Sede Social da APAMAGIS

Secretaria Estadual da Educação

CEU Paraísopolis – parceria com o Programa Einstein na Comunidade.

E.E. Professor João Evangelista Costa

E.E. Marilena Piumbatto Chaparro

E.E. Jardim Carombé

E.E. Profª Anilza Pioli

E.E. José Barbosa de Almeida

E.E. Elísio Teixeira Leite III  

E.E. João Solimeo

E.E. Cynira Stocco Fausto

Casa da Fonte em Jundiaí